Como lidar com a frustração em sala de aula

Frustração é criar uma expectativa e isso não acontecer.


Como você se sente quando os alunos conversam muito, não obedecem e não te respeitam? É frustrante preparar a aula e não conseguir transmitir o que foi planejado, ver cada vez mais o desinteresse dos alunos.


Você se sente cansado, desgastado pelo excesso de trabalho, não vê a hora das férias chegarem e sente um constante desgaste?


As vezes, o estresse e a falta de tempo estão tão enraizados que você não consegue enxergar uma solução para esse problema.



A frustração em sala de aula aparece em vários contextos:

· Querer melhorar a aula e não ver interesse dos alunos;

· Indisciplina dos alunos;

· Tenta fazer algo, mas o resultado é demorado;

· Não ter apoio;

· Excesso e rigor de cobranças, que não vêm acompanhado das condições necessárias para a realização do seu trabalho;

· Assumir múltiplas tarefas e responsabilidades;

· Ser mal remunerado.


Quais desses você mais se identifica?

Você acaba assumindo a responsabilidade por tudo o que faz em sala de aula e acaba se desgastando e sofrendo. Isso implica com o processo de frustração, que passa pela falta de condições de trabalho, extremo envolvimento emocional e expectativas elevadas.

Por isso, é fundamental que você possa cuidar dos seus sentimentos diante da dificuldade.


Más condições de trabalho, a falta de recursos que não cobrem as altas demandas exigidas, o baixo status social e profissional, as pressões e estresse do dia a dia, alunos indisciplinados fazem com que o mal-estar apareça e muitas vezes se torne em doenças da mente.


Além do mais, o trabalho docente não se encerra quando o sino bate. Há diversas atividades e funções que são levadas para desenvolver em casa, aos finais de semana, e para que tudo isso aconteça é necessário organizar o seu tempo, algo que vou comentar mais adiante.


Professor, quanto maior o estresse profissional, mais este repercute na qualidade do ensino. E é por isso que é extremamente necessário encontrar o equilíbrio entre escola e vida pessoal. O quanto você tem se cuidado e encontrado tempo para desenvolver outras coisas que você também gosta de fazer?


Então aqui vai 2 dicas para você e espero que as coloque em prática:


Descanso

Como anda a qualidade do seu descanso?

As vezes nos dedicamos demais à profissão ou a qualquer outra coisa e nos esquecemos de nossos relacionamentos, de nossa saúde, de nossa cultura, de Deus. Nos esquecemos, enfim, de dar um tempo para momentos de relaxamento e reflexão. Quanto tempo faz que você não tira um tempo para si mesmo?

O quanto você tem se cuidado e encontrado tempo para desenvolver outras coisas que você também gosta de fazer?


Ressignificar

Se você chegou até aqui, provavelmente não está feliz onde está ou no que está fazendo e não vê perspectivas de mudanças. Contudo, se você entrou no universo da educação em algum momento existia amor, motivação e ânimo e isso foi se perdendo ao longo do tempo por vários motivos.


É hora de ressignificar. Ressignificar é dar um novo significado a algo. Trazer um novo sentido para este sentimento ruim dentro de você.

A sua visão de mundo, ou a sua visão do trabalho afeta e te abala profundamente. Se você se leva muito a sério, é muito rígido e sistemático, cuidado! É preciso aprender a rir das coisas que acontecem na sua vida.


É claro que isso não é tão simples. Exige primeiro que se voltar para dentro, porque é exclusivamente a partir daí que podemos fazer a mudança.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

FALE COMIGO!


(11) 91143-6043

carolinagarciaadm@hotmail.com

CAROL GARCIA PSICÓLOGA © 2021.

Criado por Alma Studio.